Piggy Gold

icone

Mudança do clima

Descarbonização da indústria e adaptação aos efeitos da mudança do clima

A indústria é parte relevante para o desenvolvimento econômico sustentável do Brasil, com geração de emprego e renda e em direção a uma economia de baixo carbono.

icon-economia-nas-industrias.png

Acordo de Paris

Adotado em 2015 por 196 países, incluindo o Brasil, o tratado internacional sobre mudanças do clima tem como metas:

1,5º C

Limite de aumento da temperatura global até 2100

Os países estabelecem suas medidas específicas por meio de Contribuições Nacionalmente Negociadas (NDCs).

icon-economia-nas-industrias.png

impactos do clima

Os efeitos das mudanças climáticas são contabilizados em perdas humanas e financeiras.

Para a indústria estar adaptada às novas condições, são necessárias adequações dos setores econômicos e ações coordenadas dos governos em:

  • Serviços de infraestrutura

  • Acesso a financiamentos

  • Condições de atração de investimento externo

  • Requisitos de admissão a mercados consumidores internacionais

Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU: 7 - Energia Acessível e Limpa; 9 - Indústria, Inovação e Infraestrutura; 13 - Combate às alterações climáticas; 15 - Vida sobre a Terra
ilustração relacionada à mudança do clima, com árvores e usina de energia eólica
icon-economia-nas-industrias.png

financiamento do clima

O desenvolvimento de tecnologias de redução de emissões demandam altos investimentos.

Além disso, adaptar-se aos impactos da mudança do clima exige esforços financeiros e de planejamento. O financimento do clima é ainda mais importante no contexto pós-pandemia, em que países, como o Brasil, precisam implementar pacotes de recuperação ambiciosos e sustentáveis.

icon-economia-nas-industrias.png

impactos do clima

A CNI elaborou propostas para o Brasil alcançar a neutralidade de emissões até 2050.

Essas propostas estão baseadas em 4 pilares:

  • Transição energética

  • Economia circular

  • Mercado de carbono

  • Conservação florestal

icone circular

Conferência das partes

Entenda como funciona a COP e saiba como a CNI atua

A Conferência das Partes (COP) é o encontro da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UFNCCC), principal órgão da ONU para as mudanças climáticas. Anualmente, representes dos países-membros se reúnem para debater o tema, propor soluções e negociar acordos para mitigação e adaptação aos efeitos do clima.

Desde a COP26, em Genebra, Suíça, a CNI tem atuado diretamente com divulgação de documentos técnicos, organização da delegação brasileira e realização de eventos. Reunimos, em um só lugar, todas as informações sobre as negociações sobre mudanças climáticas, históricos das COPs e posicionamentos da CNI.

Saiba mais sobre a COP
icon-economia-nas-industrias.png

Mensagens-chave

Saiba as principais iniciativas defendidas pela CNI para consolidar uma economia de baixo carbono

Definir uma estratégia política nacional ampla e integrada.

Um ambiente favorável para investimentos é chave estrutural para reduzir as emissões de GEE.

Estabelecer governança para coordenação entre governo e indústria.

Esforços conjuntos são fundamentais para garantir transparência e o cumprimento dos acordos assumidos.

Ampliar uso de energias renováveis e de tecnologias de baixo carbono.

O investimento em tecnologias como hidrogênio e CCUS também vai contribuir para mitigação dos efeitos do clima.

Promover práticas de economia circular e de conservação florestal

Essas condutas contribuem para redução das emissões de GEE e para armazenamento de carbono, respectivamente.

ilustração relacionada à mudança do clima, com árvores e usina de energia eólica
icon-economia-nas-industrias.png

Agenda prioritária

Conheça as ações prioritárias da CNI para o tema em 2023

  1. 1ª ação prioritária

    Contribuir com as discussões sobre a estratégia de descarbonização da indústria nacional.

  2. 2ª ação prioritária

    Articular a aprovação de lei para regulamentar o mercado regulado de carbono, e apoiar sua implementação.

  3. 3ª ação prioritária

    Implementar o Programa Aliança II, uma parceria da CNI com a Eletrobras que tem como objetivo melhorar a eficiência energética de processos industriais.

  4. 4ª ação prioritária

    Capacitar a indústria nacional quanto à difusão de conhecimentos e boas práticas para promoção de um sistema nacional de Mensuração, Relato e Verificação (MRV) de emissões e remoções de gases de efeito estufa (GEE).

  5. 5ª ação prioritária

    Publicar estudo com experiências internacionais, oportunidades e desafios para desenvolvimento e uso do Hidrogênio no Brasil.

  6. 6ª ação prioritária

    Articular a participação da indústria brasileira na 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP28), ampliando a representação do setor nos debates.

icon-economia-nas-industrias.png

Resultados

Confira as iniciativas realizadas pela CNI em mudanças do clima nos últimos anos

2022
  • Assinatura de Acordo de Cooperação Técnica com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) para desenvolver atividades correlatas à difusão de informações, conhecimentos e boas práticas para a efetiva utilização pela indústria desse componente do Sistema de Registro Nacional de Emissões (Sirene).
  • Elaboração e publicação do estudo "Financiamento para o clima: arcabouço global e guia informativo das fontes de financiamento aplicáveis às indústrias brasileiras".
  • Articulação para aprovação da lei de base para a criação do mercado regulado de carbono no Brasil e realização de capacitação sobre o assunto para GT Mercado de Carbono.
  • Realização do workshop Finanças Sustentáveis e seus Instrumentos: um Caminho para a Transição, em parceria com a Climate Bonds Initiative (CBI), organização internacional que apoia o desenvolvimento de mercados de capitais de longo prazo para acelerar a transição da economia global de baixo carbono.
  • Elaboração do Inventário das Emissões de GEE de seis imóveis da CNI, incluindo a unidade sede, Edifício Roberto Simonsen.
  • Adesão oficial da CNI ao Movimento Ambição Net Zero, do Pacto Global, que objetiva apoiar as empresas signatárias a, coletivamente, reduzirem 2 giga toneladas de CO2 em emissões acumuladas até 2030.
  • Elaboração, em conjunto da base industrial, e publicação de documento de posicionamento da indústria para a COP27.
  • Realização do evento Estratégia da Indústria para uma Economia de Baixo Carbono, com o objetivo de promover o diálogo no setor empresarial, tendo como base os pilares definidos pela CNI: transição energética, mercado de carbono, economia circular e conservação florestal. O evento também abordou outros temas, como as expectativas do setor privado para a COP27; Mecanismo de Ajuste de Carbono na Fronteira (CBAM, em inglês); metas para descarbonização do transporte marítimo; financiamento climático e Governança ambiental, social e corporativa (ESG, em inglês).
  • Realização do Diálogo Empresarial para uma Economia de Baixo Carbono, durante a COP 27, como um ambiente de debates e troca de informações sobre a agenda climática da conferência entre representações empresariais brasileiras e estrangeiras. Foi assinado termo de compromisso entre a CNI e a Câmara de Comércio Árabe-Brasileira para construir agenda conjunta de trabalho para a próxima Conferência do Clima, a COP 28, a ser realizada nos Emirados Árabes, em dezembro de 2023.
  • Realização do Brazilian Industry Day, como parte da programação do Pavilhão do Brasil na COP 27. O evento apresentou experiências bem-sucedidas da indústria brasileira relacionadas à Estratégia de Baixo Carbono da CNI, e contou com cinco painéis: ações para o desenvolvimento do mercado de hidrogênio verde no Brasil; as iniciativas da indústria para uma economia de baixo carbono; bioeconomia e florestas; neutralidade climática, e transição energética.
2021
  • Articulação junto ao governo federal e governos estaduais para a aprovação da Resolução Conama nº 501/2021, que altera a Resolução nº 382/2006, permitindo o uso de tecnologia all electric em plataformas marítimas de petróleo e gás.
  • Entrega ao governo federal de proposta de agenda conjunta entre CNI e governo para a Mensuração, Relato e Verificação (MRV) das emissões de gases de efeito estufa (GEE), visando o estabelecimento de regras para uniformizar os sistemas de MRV de GEE.
  • Realização do evento Mercado de Carbono e a COP-26, com lançamento do estudo "Mercado de Carbono: Análise de Experiências Internacionais", que analisa iniciativas de sistemas de comércio de emissões da União Europeia, do México, do Japão, da Coreia do Sul e do Western Climate Initiative (WCI) no Canadá e Califórnia.
  • Construção, em conjunto da base industrial, do texto substitutivo do PL 528/21, que trata da regulamentação do mercado de carbono no país.
  • Incorporação de parte da proposta da CNI no documento que firmou as regras para a implementação do Artigo 6º do Acordo de Paris sobre os mercados internacionais de carbono.
  • Apoio ao Ministério do Meio Ambiente, em parceria com a Confederação Nacional da Agricultura e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, para a organização do Espaço Brasil na 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP-26).
  • Realização do evento Brazilian Industry Day, durante a COP-26 de Clima, com programações no espaço Brasil da Conferência (Glasgow) e na sede da CNI (Brasília).
  • Assinatura do convênio Programa Aliança II com a Eletrobras, a ser implementado entre 2022 e 2025, com o objetivo de melhorar a eficiência energética dos processos industriais.
2020
2019
  • Articulação junto ao poder Legislativo para rejeição do PLP 00559/2018, que propõe a taxação sobre o carbono na forma de Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE).
  • Elaboração do estudo "A Precificação de Carbono e seus Impactos na Competitividade da Cadeia de Valor do Setor Industrial Brasileiro" em contribuição ao Projeto PMR Brasil do Ministério da Economia.
  • Liderança da base industrial e articulação com o governo federal para que as recomendações da indústria indicadas no documento "Contribuição da Indústria ao Mecanismo de Desenvolvimento Sustentável no Acordo de Paris", da CNI, fossem incluídas nos textos de decisão das negociações da ONU sobre o artigo 6º do Mecanismo de Desenvolvimento Sustentável do Acordo de Paris, que começaram na COP 25 de Mudança do Clima, em dezembro de 2019, em Madrid, e seguem em 2020.
  • Garantia da representatividade do setor industrial no Comitê Gestor do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima do Ministério do Meio Ambiente, conforme estabelecido no Decreto no 10.143 de 28 de novembro de 2019.
icon-economia-nas-industrias.png

Estudos e análises

icon-economia-nas-industrias.png

Vídeos sobre mudança do clima

topo
Piggy Gold Mapa do site